Colunas

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

As “fake news" e seus riscos ao sistema democrático



A ciência, a informação e a tecnologia favoreceram a comunicação virtual, ofertando instantaneidade e proximidade entre os interlocutores. A flexibilidade e a acessibilidade corroboram com o acesso à informação e seu compartilhamento. Todavia, tal cenário, cuja permissão para realização de compartilhamentos em massa, por meio de uma rede de usuários, é contexto ideal para assassinar uma reputação, cometer crimes contra a honra, causar dano ao patrimônio material do indivíduo, ser causador de homicídios, ou mesmo moldar a opinião pública a favor de um grupo, e colocar em risco o sistema democrático.

Através das mentiras e inverdades, a democracia está ameaçada e suas instituições de defesa são amiúde descredibilizadas por Fake News. Mentir acerca de um adversário político em um processo eleitoral é atentar contra a democracia. Ora, o voto do eleitor é fruto das suas opiniões e convicções construídas com a soma das informações que obteve. Se estas são falsas e tiveram o objetivo de ludibriar, a participação política, o processo eleitoral, e, por fim, a democracia estão em perigo.

Ora, se o objetivo é entender o fenômeno da disseminação de inverdades como sendo o passo inicial para a resolução do próprio problema descrito, exige-se, pois, uma metodologia que conduza a pesquisa de maneira exploratória. Assim, adiante será realizada a conceituação do fenômeno, como também a delimitação dos fatores que levam a ocorrer.

Uma notícia falsa, geralmente, não é uma sequência de informações que resta clarividente sua falsidade, pelo contrário: muitas das informações contidas em uma Fake News são verdadeiras; a questão é que se misturam fatos e mentiras, com o nítido objetivo de persuadir o leitor. A cibersociedade cria redes nos processos de comunicação que comportam muitos usuários. Se um desses internautas receber uma informação inverídica e não conferir sua veracidade (ou inveracidade) antes de compartilhar com seus contatos, há a possibilidade de desencadear uma sequência elevada de compartilhamentos, cujas consequências serão desinformação e reações populares, por vezes, perigosas.

Para elucidar o supracitado, traz-se à tona a notícia da BBC (British Broadcasting Corporation) 14 de novembro de 2018, quando notícias falsas acarretaram atos de violência contra um tio e seu sobrinho, em uma cidade mexicana. A narrativa noticiada pelo site em voga é de que as vítimas foram linchadas e queimados por um grupo enfurecido. O sentimento de ódio por parte da multidão deu-se pela disseminação de mentiras no WhatsApp. Adentraram à delegacia onde ambos estavam, e cometeram os crimes. O grupo de criminosos acreditou que as vítimas fossem “sequestradores de crianças” e “criminosos envolvidos com tráfico de órgãos”, consoante a matéria; porém, estavam ali no estabelecimento prisional por ato antijurídico distinto (violação do sossego público). Ninguém verificou as informações antes de ir às vias de fato.

De mais a mais, Democracia e Fake News definitivamente não andam juntas, pois as notícias falsas colocam em xeque o sistema democrático. É essencial pontuar que o novo cenário do mundo globalizado e as possibilidades de aproximação das relações, de modo instantâneo, é primordial para a divulgação de notícias. Todavia, nem todas são verdadeiras.

Nesse aspecto, ao passo que a razão é substituída por sentimentos extremos e, por vezes irracionais, como o ódio, a verdade vai sendo substituída por mentiras.

Ao passo que alguns políticos e partidos, cuja responsabilidade de salvaguardar a democracia lhes competem de modo concorrente, utilizam-se das informações deturpadas para conquistarem seus objetivos - inclusive proferem inverdades, confundem os cidadãos e incitam o ódio contra determinados grupos opositores. A construção de inimigos públicos auxilia na construção da desinformação, na consequente polarização, e no crescimento político dos que fazem parte da dualidade polarizada, configurando, pois, como maniqueísmo. Assim, a manipulação das massas é viabilizada.

É sabido que a democracia, através de seus processos democráticos – vide o processo eleitoral – sofre com a fragilização do descrédito e com a descrença da opinião pública, em virtude da disseminação de Fake News.

Observa-se que a divisão da sociedade pelo maniqueísmo gera a conjuntura ideal para a disseminação de notícias falsas, contra os inimigos públicos. Ademais, há uma crise de legitimidade em diversos sistemas políticos, assim como no Brasil; isso faz com o que surjam políticos antissistema, e, sabidamente com o decorrer da história, esses políticos representam risco à democracia. Tais políticos se denominam “salvadores da pátria”, e, para fixar essa ideia e as ideias acessórias, utilizam-se de Fake News, às quais colocam em xeque o sistema democrático.

Nesse raciocínio, traz-se a notícia de que o Presidente da República Federativa do Brasil, Jair Bolsonaro, disse que o Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ministro Barroso, era “idiota”, e aponta que nas eleições anteriores houve fraudes. O presidente não apresentou provas do que diz, e, dissemina esta (des)informação, visando manipular a opinião pública. A motivação para isso fica clara, já que ele tem interesse no voto auditável. Além disso, ameaçou as eleições de 2022 quando afirmou que talvez não fossem ocorrer, e, a todo custo, desacredita o sistema eleitoral. De mais a mais, intensifica estas informações inverídicas que tiram o crédito e o prestígio das instituições, objetivando, pois, retaliar as pesquisas que apontam sua atual impopularidade.

Outro exemplo notório é o caso atual das urnas eletrônicas que, em uma live, o atual signatário da Presidência da República apresentou alguns “indícios” de que a urna possa ser violada e fraudada, utilizando alguns “especialistas” para demonstrar, em vídeo, possível “fraudabildade”.

A questão é: E se o eleitorado construir sua opinião baseado em uma inverdade, a democracia está em risco? À égide da obra “Como as democracias morrem”, sim. Steven Levitsky e Daniel Ziblatt citam as crises políticas de legitimidade e representatividade e o advento da falsa solução propagada pelos “outsiders” (os quais convencem o povo), aqueles que são considerados antissistema.

Nesse sentido, a aliança de determinado grupo com os “outsiders”, supervenientemente, tornar-se-á uma aliança fatídica. Para elucidar tal pensamento, Levitsky e Ziblatt apresentam os exemplos de Mussolini, Hitler, Chávez e Fujimori, dentre outros. Estes chegaram ao poder convencendo os políticos – estabelecidos – como “aliados úteis”, e o povo como a “salvação”, e, quando lá estavam, o tomaram para si.

No Brasil, em 2018, ocorreram as eleições, e estas ficaram marcadas pelas Fake News. Os políticos corroboram para uma polarização maniqueísta – “nós contra eles”; através da análise da conjuntura desenhada, os eleitores – indivíduos que respondem a estímulos – irão escolher um dos polos antagônicos, a partir da sua opinião. Indubitavelmente, os elementos citados separadamente são tóxicos. Juntos, a toxicidade se potencializa e prejudica as relações e fragilizam as instituições.

Nesse contexto, não há debate – este é substituído pelas campanhas de ódios, violência e assassinato de reputação, e algumas das armas principais são as notícias falsas. É inegável que isso é prejudicial à democracia.

O ato de disseminar Fake News jamais terá embasamento constitucional; em outra perspectiva, é imperioso afirmar que a liberdade de expressão não é direito absoluto; em última análise, o direito a expressar-se não permite que cause dano ou seja ato ilícito. Logo, deve-se estar a favor do pleito acerca da liberdade de expressão – uma das bases da democracia – entretanto, é mister afirmar que o combate às Fake News não é o mesmo que cercear a liberdade de expressão. A jurisprudência pátria tem firmado o entendimento de que o direito constitucional à liberdade de expressão é incompatível com a disseminação de notícias falsas.

Em outro viés, por serem informações inverídicas e, muitas vezes, terem o objetivo de moldar a opinião pública para favorecer determinado grupo, ou mesmo de cometer crime contra à honra, ou causar dano ao patrimônio moral do indivíduo, as notícias falsas são um risco à democracia. Um dos seus maiores perigos é nas eleições, cujas mentiras para favorecimento de alguns grupos políticos são tamanhas, e, isso põe em xeque o sistema democrático.

A cada dia percebemos o crescimento do ciberespaço e a participação maior dos indivíduos, sobretudo jovens, de forma coletiva, experienciando outras formas de comunicação com suporte da internet e aparelhos tecnológicos. Assim, se abrem novos espaços de comunicação com potenciais positivos nas várias dimensões da sociedade (econômica, política, social, cultural, artística, etc.).

A sociedade técnica e informacional nos possibilita edificar uma engenharia dos laços sociais, conforme proposta por Pierre Levy, e explorar as riquezas humanas por meio das informações e ideias, uma vez que os indivíduos carregam sua bagagem pessoal para a internet, tornando o aprendizado cooperativo e colaborativo.

Esse intercâmbio de conhecimento e compartilhamento de conteúdos “verdadeiros”, contribui para sairmos das fortes relações de poder que conduzem à dominação, exploração, opressão, que é um campo fértil para as fake news. Somos tributários da ideia de que quanto maior o progresso das formas de comunicação, igualmente será o da democracia, permitindo o combate às notícias falsas, ao autoritarismo e aos “regimes ditatoriais” muito presentes nas atuais democracias mundiais

Por Pedro Safo Rodrigues da Silva

44 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo

Por Coletivo Terral Eles não querem te desenvolver, eles querem explorar você. Quem nunca ouviu alguém falar: “Vou investir na minha carreira para crescer na empresa.” ou “Preciso investir em tal curs

Por Romi Pereira O ensino de filosofia está centrado na prática educativa ministrada pelo professor e na inter-relação do mesmo com os alunos. Essas relações de interação de professor e aluno ocorrem