Colunas

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

  • Dimas

22, Menó e uns B.O.

Por Dimas


Há uma fórmula antiga que diz: cada um que cuide dos seus B.O. Sabedoria comum, humana. Escrita em várias línguas e traduzida às gerações, adaptada mais de uma vez. Simples, provoca a entender o papo reto. Cuide, faça o seu. Questiona ainda, qual a nossa parte nisso? Arrisca chamar a atenção para um ato de responsabilidade maior. Preocupada em cuidar. Conduz sobretudo à fé, faz crer que dá pra resolver esses B.O. E o que eles são, se não a origem dos problemas de cada um? O B.O é provocante na medida em que a busca pelo seu fim traz à vida um sentido. Cuidar do hoje para resolver o amanhã.

Mas a vida é só um resolver B.O?

Nem tudo cabe em fórmulas…

Começa o ano após o carnaval. A gente já sabe. Brasil brasileiro. Virada do ano, nas ideias que duram mais que a festa que é quase euforia, quase revolução. É meio que um molejo num tempo, um mergulho pra começar o dia. Pular 7 ondas. Em uma semana, Exu foi campeão do carnaval. O presidente em ato falho admitiu que mente, pra geral. Uma aldeia yanomami foi queimada e uma criança foi estuprada. Os militares se muniram de próteses penianas e viagra. Um líder quilombola é assassinado a tiros. Sem falar do desastre cotidiano que não viram manchetes de jornal. Só, em uma semana, é muito B.O dos Menó pra resolver.

A essa altura o Menó se dá conta que o seu papo reto é coletivo. Cuidar e buscar resolver junto. Não existe jornada de herói solitário na latinoamérica. O Menó é um coletivo. Cada um com seus B.O, tentando dizer como tenta resolver. E vivendo. Sem excesso de texto no sangue. Pois a fórmula é mais que um texto, como o ouro é mais que ouro para um alquimista. Ela é mais porque pode dizer mais. Quer dizer mais. Quer apontar para esse mistério que não se resolve sozinho, o Brasil. E quer aprender e cuidar mais dos seus rumos.

Em que tempo vivemos? Os momentos de aflição e desorientação se intensificam como se fossem água subindo um rio na virada da maré. Arrasa toda esperança de que estar à margem é seguro. O que nos resta pós-carnaval? O clima de festa das Eleições? Copa do mundo? O Mano falou. Tem que voltar para a base. Entender o que o povo tá vivendo. O que tá rolando. Seus B.O. O Menó, aqui, só está buscando um caminho para resolver o Brasil que vivemos. Tentando, com todo cuidado, para que não vire um paralelo do Brasil de Terra em Transe. Um Eldorado feito à vontade dos poderosos, em que a sua “harmonia universal dos infernos” é a razão da morte da história e das lágrimas do poeta. O que mais transborda em nosso tempo, se não a consciência de que esse é o papo reto? Esse é o dever maior dos menó.

0 visualização

Posts Relacionados

Ver tudo

Por Dimas Começo no compasso de um verso... "Eu penso" E tropeço na própria estrutura da sentença. A palavra que pensa? Faço o que quero. No desvio poético, há algo de raro e um outro louco. Que brinc

Por Matheus Novaes Participei de três ocupações estudantis, uma delas me marcou profundamente. Acontecimento político? Circunstância de aprendizado? Sim, por que não? Mas entre as sublimes nomenclatur